Title
Main Image LeftMain Image Right

Divider Bar




Por uma estrada, um dia, uma criança
Muito loira e risonha, nela andava.
Seu coração, tão cheio de bonança,
No pequenino peito palpitava.


Em uma das mãozinhas segurava
Um arco de ouro, e noutra ela trazia
Setas douradas, com que costumava
Ferir os corações, que sempre via.


A boca cor de rosa uma canção
Muito doce e divina balbuciava.
canto extasiava o coração.
Era Amor, que cantando, assim passava.


Ele já ia em meio da jornada;
Porem, certa manha de primavera,
Sentou-se numa pedra dessa estrada,
A meditar no mal que ele fizera.


"Meu Deus! com essa minha travessura
Não pensei tanto dano, assim, causar."
E tendo a alma repleta de amargura,
Arrependido, Amor pôs-se a chorar.


Nesse instante, porem, uma donzela,
Que tinha as vestes verdes, cor do mar,
Parou ali. E a sua voz tão bela
Procurou o menino consolar.


"Não chores mais, meu anjo, vem comigo,
Eu sei o que te causa tanta dor.
É por isso que eu venho ter contigo;
Enxuga esse teus olhos, Deus do Amor!"


"Eu queria saber, disse a criança,
teu nome... Afinal como é então?"
"Meu nome é lindo, chamo-me Esperança",
Respondeu-lhe com voz toda emoção.


"Quero ir contigo, pela estrada afora,
Consolar esses pobres corações;
Eles sofrem por tua causa agora
E choram as perdidas ilusões".


E os dois partiram, com as mãos unidas,
Sorrindo ia a Esperança a consolar.
Caminhavam assim, por avenidas,
Que um sol ardente vinha iluminar.


Por muito e muito tempo eles andaram,
Até que enfim, em uma encruzilhada,
Cansados
, Esperança e Amor pararam.
Estavam quase ao termo da jornada.


Ali tudo era belo... Bem distante
Erguiam-se montanhas azuladas.
Aos seus pés, a água clara e murmurante
Passava sob as flores perfumadas.


Traído Amor, e a Esperança, embevecidos,
céu de anil ficaram a fitar.
E como ambos estavam distraídos,
Não sentiram alguém se aproximar.


"Aqui estou eu", falou uma voz dolente
Que também traduzia a ansiedade,
"Meu nome é triste - disse docemente -
Mas é bem lindo, eu sou a Saudade.


"Os corações, que tu Amor, feriste,
Agora estão cansados de chorar".
"Tu, Esperança, tanto os iludiste!...
Pra que foi que os fizeste em vão sonhar?"


"Ficai! que junto aos pobres desgraçados
Saberei preencher vosso lugar".
"Eles hão de sorrir mais consolados;
Junto deles eu sempre hei de ficar".


"E há de então perpassar-lhes pela mente
passado, que outrora os fez sonhar.
"Quem sabe se mais lindo e mais sorridente,
Porque com Saudade hão de evocar!"


Assim é a vida. Amamos e sentimos
A Esperança afagar o coração;
Porem bem cedo nos desiludimos.
Junto a nós Saudade fica então.


Divider Bar




Guests

Sign Guestbook View



Divider Bar


Back
Email Hearts Home

 

Gostou desta página?
Que tal enviá-la a alguém especial?

Seu Nome:
Seu E-mail:
E-mail de seu Amigo(a):

Mensagem(+ ou - 20 palavras):

Depois de enviar, a msg continua aqui,
basta fechar esta página.

 





Lil Kitty Graphics